BRE: Reflexão V Domingo Tempo Comum – “Mc 1,29-39: Evangelizar, mais que palavras!”

1evangelizar

Por: Dom André Vital Félix da Silva, SCJ

Texto também disponível em: dehonianosbre.org

A perícope evangélica deste V Domingo apresenta três elementos fundamentais da ação evangelizadora de Jesus.

1. A passagem da sinagoga para a casa: “Jesus saiu imediatamente da sinagoga e foi, com Tiago e João, para a casa de Simão e André”. Esta informação não pode ser vista apenas como uma conexão literária feita pelo evangelista para costurar os vários textos. Mas indica algo imprescindível no anúncio da Boa Notícia; sem dúvida, uma das grandes dificuldades encontradas hoje na nossa missão é fazer com que o evangelho proclamado nos púlpitos alcance os ambientes onde as pessoas vivem e convivem, sobretudo as famílias.

Na sinagoga, Jesus é reconhecido como um Mestre que tem autoridade (IV Domingo), mas é nos vários ambientes onde se fez presente é que a sua autoridade foi exercida como verdadeiro serviço à vida, e não somente como proclamação de uma palavra verdadeira. Passando da sinagoga, o lugar da reunião em torno da Palavra, para a casa, o lugar do encontro com as pessoas na sua realidade mais concreta, Jesus testemunha a força do Evangelho de Deus: “Jesus curou muitas pessoas de diversas doenças e expulsou muitos demônios”.

A sogra de Simão não é apenas uma das tantas pessoas miraculadas, mas ela é apresentada como um ícone de quem verdadeiramente foi curado por Jesus, isto é, a quem o evangelho alcançou profundamente; o sinal mais convincente é a decisão de colocar-se a serviço. Nela se realizam os quatro momentos do processo de evangelização proclamados por Jesus no início da sua vida pública (III Domingo): “O tempo cumpriu-se, reino de Deus está próximo, convertei-vos e crede no evangelho”. Ao sair “imediatamente” (grego: eutheus) da sinagoga, Jesus indica que não há mais o que esperar, a sua missão vai para além de determinados ambientes restritos, pois exige horizontes mais vastos, águas mais profundas. Esse mesmo advérbio (grego: eutheus) é utilizado quando se diz que a sogra de Simão, tenho sido curada, “imediatamente começou a servi-los”. Portanto, qualifica tanto o tempo (kairós: momento oportuno) quanto a ação de Jesus e da mulher curada. Ambos não se perdem em delongas ou esperas estéreis.

2fe

Entrando em casa, “Jesus aproxima-se da mulher”, portanto, a grande proclamação de que, de fato, o Reino de Deus está próximo. Jesus não diz que o Reino se aproxima, mas Ele mesmo é a presença do Reino do seu Pai no mundo. Marcos sublinha que Jesus “Ajudou-a a levantar-se”. O verbo grego (egeiro: levantar) é o mesmo utilizado para indicar a ressurreição, como um despertar, acordar, uma mudança radical de vida. Portanto, um processo de conversão. Jesus tomando-a pela mão, transmite-lhe a força do seu amor, a condição necessária para provocar no outro o desejo e a decisão de conversão. Assim, como a última afirmação “crede no evangelho” coroava a síntese da pregação inicial de Jesus, a mulher curada testemunha da maneira mais eloquente e persuasiva que verdadeiramente aderiu (acreditar) ao evangelho do Mestre que tem autoridade, “que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida”, por isso, “imediatamente ela começou a servi-los”O serviço nas comunidades primitivas não era apenas uma atividade realizada com finalidades funcionais, uma ajuda diante de uma determinada necessidade. Mas o serviço (diaconia) é, antes de tudo, obediência à Palavra, ao próprio Jesus que nos diz o que devemos fazer. Portanto, só é possível tornar-se um servidor do Reino se seguirmos os seus passos, aprendendo Dele o autêntico serviço de caridade na verdade que liberta.

3jesus

2. O segundo elemento imprescindível que Jesus nos indica como raiz da ação evangelizadora é a disponibilidade para estar na intimidade com o Pai: “De madrugada… Jesus se levantou e foi rezar num lugar deserto”. Hoje fala-se muito da necessidade de oração. E até se investe muito em dinâmicas criativas para “animar” momentos de oração. Porém, para além de qualquer técnica ou dinâmica, oração é decisão, por isso, não depende de moções sentimentais prazerosas nem de motivações externas infantis. Muito significativo o fato de Marcos dizer que “tendo se levantado ainda de madrugada”, mais uma forma verbal aplicada à ressurreição (anastasis). Quando as “mulheres vão ao túmulo ao nascer do sol”, recebem a boa notícia: “Ressuscitou, não está aqui” (Mc 16,2.6). Portanto, a madrugada é o grande momento da ressurreição, da evangelização. Jesus prefere as madrugadas para estar na intimidade com o Pai, que o ressuscitará. A oração para Jesus é momento kairótico de ouvir o evangelho do Pai dirigido a Ele. E, portanto, renova a sua obediência que o levará à cruz, mas tem a certeza da ressurreição. Ele tem força de “levantar-se de madrugada” porque se alimenta, nas madrugadas, da certeza de que na madrugada final o Pai estará desperto para despertá-lo também.

3. A consciência da missão que desinstala: “Vamos a outros lugares, às aldeias da redondeza! Devo pregar também ali, pois para isso que eu vim”. Diante da narração dos acontecimentos que indicam um sucesso incontestável, o próprio entusiasmo dos apóstolos que testemunham as obras prodigiosas do Mestre e o acorrer de tantas multidões, desponta a consciência lúcida de Jesus em relação à sua missão de evangelizar. Não é o “sucesso” que define a sua ação evangelizadora, mas a consciência que Ele tem dela, que vem só do Pai. Por isso, a oração não é uma possibilidade para Jesus de estar com o Pai, mas é a necessidade para conhecer sempre mais a sua vontade.

Enraizados na oração que nos faz crescer na consciência da nossa missão como serviço à vida, aprendamos do Mestre a evangelizar, superando a tendência de tornar o seu evangelho uma palavra nossa que garanta o nosso público, mas com a coragem de seguir os seus passos até a cruz, convictos de que na madrugada da nossa vida Ele não dorme e nos despertará, anunciemos a verdade dessa Boa Notícia.

4missao

domandrevital

Dom André Vital Félix da Silva, SCJ. Bispo da Diocese de Limoeiro do Norte – CE. Mestre em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana.

Anúncios
Esse post foi publicado em Reflexão dominical. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para BRE: Reflexão V Domingo Tempo Comum – “Mc 1,29-39: Evangelizar, mais que palavras!”

  1. Salesia de Medeiros Wanderley disse:

    É alentador pregar a Palavra de Deus, seguir os passos de Jesus até a cruz e saber que na nossa madrugada Ele nos libertará. Obrigada Dom André por reforçar nossa fé.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s