BRE: Reflexão Festa da Epifania do Senhor – “Mt 2,1-12: O rei que não nasceu no palácio de Herodes”

1jesus

Por: Dom André Vital Félix da Silva, SCJ

Texto também disponível em: dehonianosbre.org

Se na noite Santa do Natal a Boa Notícia dada aos pastores foi o nascimento do Messias Salvador, agora na Festa da Epifania, proclama-se que esse Messias é o Salvador de toda a humanidade, representada nos Magos vindos dos confins da Terra em busca do recém-nascido, rei dos Judeus para todos os povos.

Mateus, narrando a visita dos Magos, evidencia o significado universal da salvação. O Messias, mesmo nascendo numa terra que lhe deu naturalidade e nacionalidade, tem uma missão que ultrapassa fronteiras nacionais e étnicas. A Festa da Epifania reafirma a catolicidade da Missão salvadora do Messias, cuja estrela surgiu no Oriente mas o seu brilho inunda toda a Terra. A jornada dos Magos rumo ao recém-nascido descreve o itinerário de todo ser humano que tem sede da verdadeira luz e que se propõe empreender um caminho para buscá-la. É o itinerário que toda a humanidade, muitas vezes sob o domínio dos Herodes de cada tempo da história, tem necessidade de percorrer para encontrar a sua real liberdade e libertação.

A pergunta dos Magos: “Onde está o rei dos judeus que acaba de nascer?” só terá a resposta definitiva no final do evangelho, quando Pilatos interroga Jesus: “Tu és o rei dos judeus?” (Mt 27,11). Não são as palavras de Jesus que respondem a pergunta, mas o seu modo de reinar, isto é, tornando-se servo de todos. Na cena da visita dos Magos encontramos uma densa introdução de todo o evangelho de Mateus. Porém, só alcançaremos o sentido mais profundo desse relato se, partindo do encontro com o menino na manjedoura, em Belém, prosseguirmos o caminho até o calvário, onde o veremos triunfar e reinar verdadeiramente na cruz, pois Ele é o Rei-Pastor que dá a vida por seu rebanho.

2pastor

Afirmar a realeza de Jesus exige conhecimento de sua pessoa, de seus ensinamentos, caso contrário, Ele poderá ser confundido com os reis mundanos, aos moldes de Herodes. O próprio evangelho ilustra situações nas quais, sobretudo os discípulos e o povo, demonstram não ter compreendido ainda o significado do reinado de Jesus, pois esperam que seguindo-o terão garantidos privilégios e honrarias.

Seguindo a lógica natural, os Magos vão ao palácio real, já que o intuito é encontrar o recém-nascido, rei dos judeus. Porém, lá fizeram a fundamental descoberta, isto é, iluminados pelas Escrituras, compreenderam que o Rei-Messias não nasceu no palácio de Herodes, mas na pequena cidade de Belém, na humilde aldeia dos pastores. Portanto, Ele é o genuíno rei, pois é pastor. Aqui está a diferença fundamental entre o rei Jesus e os reis da terra.

A reação de Herodes testemunha a consciência da fragilidade do seu reinado, a ponto de, junto com ele, “toda a Jerusalém ficar perturbada”. Tal agitação já é um prenúncio, em perspectiva escatológica, da instauração definitiva do Reino de Deus, por ocasião da vinda do Filho do Homem na sua glória, para julgar todas as nações (Mt 25,31s). Assim como o Faraó, no tempo de Moisés, diante do crescimento e fortalecimento do povo hebreu, escravo e desejoso de libertação, temeu a perda do seu poderio e decretou a morte dos meninos a fim de enfraquecer o povo (Ex 2,1s), também os Herodes, de ontem e de hoje, sentindo-se ameaçados pela força da vida que resiste diante da cultura de morte, decretam covardemente a matança de inocentes e indefesos, pois são as presas mais fáceis. Inescrupulosamente esses tiranos, através de um aparato ideológico, colocam-se como benfeitores da humanidade, mas na verdade elaboram estratégias e planos de destruição da vida, envolvendo as suas próprias vítimas, fazendo delas os seus instrumentos mais eficazes na execução dos seus projetos nefastos. Era justamente esse o intuito de Herodes quando cinicamente propõe aos Magos: “Ide e procurai obter informações exatas sobre o menino. E, quando o encontrardes, avisai-me, para que também eu vá adorá-lo”. Essa é a ideologia dos falsos benfeitores da humanidade de hoje, infiltrados em organismos nacionais e internacionais que deveriam se comprometer com a vida das pessoas e da sociedade (partidos políticos, OGN´s, ONU, UNICEF, etc.), impondo seus projetos de destruição dos verdadeiros valores (família, religião, respeito à vida dos nascituros e anciãos). De forma cínica e sutil, esses Herodes hodiernos, com apoio de fortes grupos econômicos, instrumentalizam grupos, setores da sociedade, pessoas vulneráveis, espaços religiosos, fazendo-se passar por defensores dos seus direitos, quando, de fato, disseminam a mentira sobre o ser humano, tornando-o ainda mais escravo e submisso; essa é a estratégia mais eficaz para se manter no domínio escravizador e garantir o seu status quo social e econômico.

3magos

A celebração do Natal deve ser mais do que momento de trocar presentes ou expressar reciprocamente bons desejos. Nos dons ofertados pelos Magos (ouro, incenso e mirra) vemos a convicção de quem acredita na verdade e não se deixar convencer por falsas ideologias. Reconhecer a verdade da realeza de Jesus (ouro) é denunciar todo tipo de poder tirânico que escraviza e destrói. O ouro ofertado a Jesus não lhe serviu para transformar em coroa ou cetro, mas se transformou em tudo aquilo que Ele nos ofereceu a fim de nos enriquecer. O incenso presenteado transformou-se em oferenda permanente ao Pai em nosso favor, cujo ponto mais alto de exalação foi no alto da cruz. A mirra generosamente entregue foi misturada ao seu corpo ferido, machucado, mas que ressuscitou, serviu de solidariedade à sua humanidade.

Seguindo o exemplo dos Magos, cuja sabedoria humana foi iluminada pela revelação (Escrituras, encontro com o Senhor), é preciso identificar as ambiguidades dos Herodes de hoje e ter a coragem de tomar outro caminho como fizeram os Magos: “Avisados em sonho para não voltarem a Herodes, retornaram para a sua terra, seguindo outro caminho”. Só assim, poderemos ofertar o nosso ouro, incenso e mirra, ao Senhor da vida que não nos manipula para garantir escravos, mas que se entrega por nós para nos tornar livres.

4reismagos

domandrevital

Dom André Vital Félix da Silva, SCJ. Bispo da Diocese de Limoeiro do Norte – CE. Mestre em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana.

Anúncios
Esse post foi publicado em Reflexão dominical. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s