BRE: Reflexão Pentecostes – “Jo 20,19-23: A Páscoa apenas começou…”

espirito1

Por: Pe. André Vital Félix da Silva, SCJ

Texto também disponível em: dehonianosbre.org

A Solenidade de Pentecostes não é apenas uma simples conclusão do Tempo Pascal, mas tem caráter profético, ou seja, anuncia que a Páscoa do Senhor não se encerra, pois é constantemente atualizada na Igreja pela ação do Espírito Santo, o principal dom concedido na ressurreição e confirmado no Pentecostes. Durante esses cinquenta dias de Páscoa, não fizemos um percurso de distanciamento do evento morte-ressurreição do Senhor, mas pelo contrário, temos sido conduzidos pedagogicamente à sua dimensão mais profunda: os efeitos da ressurreição do Cristo-cabeça em nós, membros do seu Corpo. Por ser fonte e ápice de toda a vida cristã, o Mistério Pascal não se encerra num tempo, mas abrevia-se no tempo para podermos mergulhar nele e sermos inundados por ele: a primordial obra do Espírito Santo.

A perícope do evangelho de hoje nos remete ao início do tempo cuja conclusão cronológica estamos recordando hoje: “Ao anoitecer daquele primeiro dia da semana”. É o mesmo texto proclamado na Oitava da Páscoa (excetuando-se os versículos 24-31: o encontro com Tomé). Portanto, não estamos no fim, pois o dom do Espírito não nos é dado no fim, mas marca definitivamente todo começo do agir de Deus. Celebrar o Pentecostes é reconhecer que um novo começo está se realizando. A revelação bíblica testemunha, em várias passagens, que a presença do Espírito assinala sempre o irromper de um princípio (grego arché: fundamento, começo, início). Superando uma tendência reducionista de conceber o tempo como quantidade (aspecto cronológico), indica um fundamento, algo que nos empurra para além dos limites de tempo e espaço, pois nos mergulha na esperança, na eternidade.

espirito2

Assim como no primeiro dia da semana, Jesus ressuscitado sopra sobre os discípulos e lhes diz “Recebei o Espírito Santo”, indicando o início de sua nova presença no mundo (inaugurando a nova criação), também no princípio de tudo “Um vento de Deus (hebraico Ruah: sopro) pairava sobre as águas” (Gn 1,2) a fim de fecundar e chamar à existência tudo o que há. Assim como antes, “A terra estava sem forma (hebraico tohu: caos) e vazia (hebraico bohu: deserto) e as trevas (hebraico hoshekh: escuridão) cobriam o abismo”, agora Jesus ressuscitado, aparecendo aos discípulos no cenáculo, rompe as trevas da morte. Vale notar que a Bíblia Grega (LXX) traduziu “a terra era sem forma” por “a terra era invisível” (γῆ ἦν ἀόρατος). Tudo isso representa muito bem o que foi a experiência tanto de Maria Madalena, que vai ao sepulcro ainda quando era treva (grego skotia: escuridão Jo 20,1), quanto a dos discípulos, que se encontram no anoitecer daquele primeiro dia, e, portanto, fazem a experiência da não criação ou do caos original.

amor3

Como no princípio tudo é marcado pela Palavra criadora de Deus que chama à existência todas as coisas a começar pela luz (“Faça a luz”), assim o primeiro dia da nova criação é marcado pelo aparecimento da Luz, não mais como primeira criatura, mas como Aquele que é o “Primogênito de toda criatura, a Imagem do Deus invisível” (Cl 1,15). O próprio Jesus, no evangelho de João, já havia indicado esta nova realidade: “Eu sou a luz do mundo, quem me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida” (Jo 8,12). Se na primeira criação a ação de Deus é descrita como uma separação (luz-trevas, dia-noite, terra-água, macho-fêmea), isto é, superação do caos (confusão, a falta de identidade dos seres), a nova criação leva à plenitude esta obra iniciada, nela se realizou a grande reconciliação de toda a humanidade e de toda “a criação que em expectativa anseia pela revelação dos filhos de Deus” (Rm 8,19). O dom da paz do Ressuscitado (duas vezes referido nessa perícope) é a grande prova de que a criação alcançou a sua plenitude, pois “Ele é a nossa paz… a fim de criar em si mesmo um só Homem Novo, estabelecendo a paz, e de reconciliar a ambos com Deus em um só Corpo, por meio de sua cruz” (Ef 2,14s). Os discípulos ao verem o Senhor, que lhes mostrara as mãos e o lado, exultaram de alegria. A alegria na Bíblia é a manifestação de um bem alcançado, distingue-se de uma simples satisfação ou de prazer momentâneo. A alegria dos discípulos é a alegria que nasce do encontro com o Ressuscitado, cujas marcas da cruz não desapareceram pois são a comprovação de que não é um outro, mas o mesmo Senhor. Como na primeira criação, Deus viu que tudo que fizera era bom, e, portanto, exultava em afirmá-lo (Gn 1,4.10.12.18.21.25.31), assim agora na nova criação os discípulos veem (mesmo verbo grego na LXX e no evangelho horao: ver) a obra de Deus realizada e, portanto, a promessa de Jesus se cumpre neles: “Eu vos digo isso para que a minha alegria esteja em vós e vossa alegria seja plena”(Jo 15,11).

Receber do Ressuscitado o dom do seu Espírito é assumir a sua missão: “Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio”. O Espírito Santo não nos é dado como prêmio por ter realizado algo, nem muito menos um “poder” para realizar coisas extraordinárias em nós, fazendo-nos mais importantes do que os outros nos quais não se evidenciam coisas “espirituais” espetaculares. Mas é força do alto para nos ajudar a realizar a obra da nova criação, continuar no tempo e na história a missão de Jesus: a reconciliação, isto é, o perdão dos pecados, primeiro passo para levar à plenitude a nova criação.

A Solenidade de Pentecostes não é a festa do padroeiro de um Pentecostalismo aprisionado a sentimentalismos e manifestações pseudorreligiosas extraordinárias, de portas fechadas, só para os iniciados. Mas é a grande convocação para a missão que o Pai confiou ao Filho, abrindo as portas e arregaçando as mangas, sem ter medo de ferir as mãos e o lado, isto é, assumir também as marcas do crucificado.

espirito4

Padre Andre

Pe. André Vital Félix da Silva, SCJ. Mestre em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana. Professor nos Seminários de Campina Grande-PB, Caruaru-PE e João Pessoa-PB. Membro da Comissão Teológica Dehoniana Continental – América Latina (CTDC-AL).

Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s