BRE: Reflexão Quarta-feira de Cinzas – “Mt 6,1-6.16-18: Quaresma x vitrine da religião hipócrita”

mask1

Por: Pe. André Vital Félix da Silva, SCJ

Texto também disponível em: dehonianosbre.org

A celebração da Quarta-feira de Cinzas nos faz um veemente convite para vivermos a Quaresma como tempo sumamente pedagógico, tempo favorável que nos ajuda a intensificar, de modo muito prático, o aprendizado de um estilo de vida imprescindível para o nosso crescimento humano e espiritual. É a própria palavra de Jesus que nos introduz nesse tempo de graça: “Ficai atentos para não praticar a vossa justiça na frente dos homens só para serdes vistos por eles. A prática da justiça do Reino anunciado por Jesus nas suas palavras e instaurado no mundo pelas suas ações não é um mero conjunto de atos isolados de piedade, mas atitudes que testemunham um processo permanente de conversão, que exige um retorno autêntico ao relacionamento equilibrado com o semelhante (esmola), com Deus (oração), consigo mesmo (jejum). Não é representação teatral (hipocrisia) para ser vista, reconhecida e paga pelos homens: Já receberam o seu salário (grego misthos: recompensa, pagamento), mas ação da graça do Pai que está no céu e que vê tudo, concedendo a verdadeira recompensa a quem não se esconde por trás de máscaras, mas rompe com o pecado e, portanto: “Deste modo vos tornareis filhos do vosso Pai que está nos céus” (Mt 5,45).

quaresma2

Recordando as três grandes práticas da religião de Israel: esmola, oração e jejum, Jesus recupera o seu significado mais genuíno e os seus efeitos mais necessários. Apesar de estarem dispostas numa ordem linear, a esmola, a oração e o jejum não podem ser considerados separadamente, nem muito menos numa ordem de preferência. Pois a caridade (do grego eleemosyne, da mesma raiz de ser misericordoso) só será autêntica se for motivada por um verdadeiro e comprometedor sentimento de solidariedade para com o próximo, e só terá raízes se brotar do interior de quem está aberto ao Transcendente. Pois, sem o cultivo da vida interior (oração), a esmola não passará de assistencialismo escravizador ou mesmo ocasião de humilhação do semelhante necessitado. Por conseguinte, a “caridade” motivada por aplausos é uma armadilha para nos colocarmos no centro e banir Deus do horizonte da vida. Pois podemos ser “bonzinhos” sem Ele, basta fazer o “bem”. Contudo, a oração nos ajuda a equilibrar os nossos sentimentos e motivações na prática do bem e a corrigir a nossa presunção e autossuficiência, reconhecendo que a fonte da nossa bondade está Nele, pois “só Ele é bom” (Mt 19,17).

boca3

Além do mais, a oração nos conduz à descoberta de uma fome ainda maior, cujo jejum pode ser uma valiosa experiência no nível concreto e de ordem didática. A fome do pão material vivenciada em atitude orante nos ajuda a fazer a experiência da fome de Deus. Pedagogicamente, o jejum nos favorece o exercício da convicção de que se somos “capazes” de nos privar de algo bom e necessário para a vida (o alimento material), não teremos desculpas para não sermos capazes de uma privação mais importante para o nosso crescimento humano e espiritual, isto é, o humilde esforço de nos privarmos de pensamentos, palavras e gestos que reforçam o nosso egoísmo, ambição, maledicência. Por outro lado, o autêntico jejum não resulta apenas numa privação de alimentos num determinado período, mas nos favorece condições de partilhar, de solidariedade e de prática da justiça do Reino. O que não como hoje por opção de fé, não deve permanecer na despensa para ser comido amanhã, mas deve tornar-se sacrifício agradável a Deus, isto é, compartilhado com quem é obrigado a fazer jejum por condição.

A esmola, a oração e o jejum, motivados pela fé e não simplesmente pela aparência da vaidade religiosa ou pelo prazer da recompensa imediatista, nos ajudam a recuperar o dinamismo original da vida. Não são práticas isoladas aprisionadas pelo rigorismo da lei, mas atitudes que nos humanizam.

cartao4

A esmola nos ajuda a estabelecer relacionamentos autênticos com o semelhante com quem devo repartir o que foi colocado à disposição de todos. Não é dar do que me sobra, mas reconhecer efetivamente que acima do meu está o nosso. Portanto, as mãos que repartem verdadeiramente não podem estar ocupadas com uma trombeta a chamar atenção para si. A esquerda não sabe o que faz a direita, porque ambas estão empenhadas em repartir e não em competir.

A oração nos coloca diante de Deus para adorá-lo e não diante dos outros para sermos vistos. A autêntica atitude orante nos coloca de joelhos, faz-nos humildes diante do Pai e não nos permite colocar-nos de pé diante dos homens para que nos vejam e nos louvem. Esquinas e praças e até sinagogas podem nos motivar a falar, mas não necessariamente a falar com Deus.

O jejum nos favorece a experiência do desapego de si mesmo, desperta em nós a capacidade de tomar decisões e fazer escolhas e não apenas nos deixarmos conduzir por impulsos instintivos, é o exercício mais eficaz para darmos passos qualitativos no nosso processo de ser gente e não apenas de sermos animais. Portanto, não nos desfigura nem muito menos nos torna tristes, mas pelo contrário, nos configura Àquele que “sendo Deus se esvaziou e tornou-se servo, assumindo a nossa condição” (Fl 2,7). E como diz ainda São Paulo: “Em verdade, somos por Deus o bom odor de Cristo… Não somos como aqueles que falsificam a palavra de Deus…” (2Cor 2,15.17).

A Quaresma não é um parêntese para fazermos um esforço temporário de ser bonzinhos ou piedosos de vitrine, mas um caminho de aprendizado para nos tornarmos cada vez mais filhos de Deus, superando a hipocrisia da religião de aparência, e assumindo um processo de conversão de nossas atitudes e relacionamentos para com os nossos semelhantes, para com Deus e para consigo mesmo.

madre5

Padre Andre

Pe. André Vital Félix da Silva, SCJ. Mestre em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana. Professor nos Seminários de Campina Grande-PB, Caruaru-PE e João Pessoa-PB. Membro da Comissão Teológica Dehoniana Continental – América Latina (CTDC-AL).

Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

2 respostas para BRE: Reflexão Quarta-feira de Cinzas – “Mt 6,1-6.16-18: Quaresma x vitrine da religião hipócrita”

  1. cricidalva Gomes de Araújo disse:

    Ț

  2. Itamar disse:

    O verdadeiro espírito de conversão quaresmal é aquele de quem não busca simplesmente dar uma satisfação de sua vida a outras pessoas para conseguir a sua aprovação e passar assim por um bom religioso, mas sim aquele que encontra a sua motivação no relacionamento com Deus e busca superar as suas imaturidades, suas fraquezas, sua maldade e seu pecado. Esses quarenta dias, devem ser um tempo forte de meditação, oração, jejum, esmola (“remédios contra o pecado”). A quaresma só terá valor se ao final acontecer uma tomada de atitude interior.

    Obrigado Pe. André, pelas suas reflexões que só tem nos ajudado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s