BRE: Santa Sé destaca o papel das religiões no combate à pobreza

pOBREZA

Nova Iorque (RV) – A importância do diálogo inter-religioso na agenda de desenvolvimento pós-2015 foi tema de debate na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, na última sexta-feira (27/03). O Observador Permanente da Santa Sé na ONU, Dom Bernardito Auza, falou antes de tudo do papel das religiões na conquista do primeiro e fundamental objetivo: a erradicação da pobreza.

“Por que uma enorme instituição financeira como o Banco Mundial ou uma grande organização internacional como as Nações Unidas se devem voltar para as religiões e suas organizações para melhor assegurar a realização dos objetivos de desenvolvimento sustentável?” – questionou Dom Auza.Certamente, respondeu ele, pelo reconhecimento das contribuições das religiões e suas organizações para a vida dos indivíduos e das sociedades, em particular, do apoio que prestam àqueles que tentam emancipar-se das várias formas de pobreza extrema.

Luta contra a probreza

De fato, observou Dom Auza, segundo o Presidente do Banco Mundial, Jim Kim, mesmo com as previsões mais otimistas de crescimento para os próximos 15 anos, o mundo ainda não conseguiu erradicar a pobreza extrema. Dos 14,5% atuais da população mundial extremamente pobre, o número só poderia ser reduzida para 7% até 2030. “Contudo, com a colaboração de organizações baseadas na religião e outras organizações civis, podemos reduzir esse número para 3% em 2030. Em números reais, isso é uma contribuição significativa”, afirmou o Arcebispo.

Bússola moral

Dom Auza disse ainda que as religiões e organizações confessionais, apesar das suas contribuições, não pretendem ser o que não são. Do ponto de vista cristão, não são entidades econômicas ou políticas; não são um Banco Mundial paralelo nem uma Organização das Nações Unidas, nem são idênticas a simples ONGs. A sua  força, disse,  não está nos recursos materiais ou conhecimentos científicos, mas no fato de que são uma força espiritual e uma bússola moral, de capacitar indivíduos e sociedades a reconhecer e respeitar a dignidade inerente a cada pessoa humana.

Ao trabalharem para libertar os povos da pobreza, as religiões e organizações baseadas na fé lutam para resolver as causas estruturais da pobreza, a injustiça e a exclusão, disse o diplomata vaticano, citando o Papa Francisco que nos  exorta a dizer não a um sistema financeiro que governa ao invés de servir, um sistema que produz  desigualdades ao invés de prosperidade partilhada.

Fonte: Rádio Vaticano.

Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s